quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

101a. Edição da Feira Livre do Vinil



Na última FLV (feira livre do vinil), 101ª. Edição em 18 de janeiro de 2014, tivemos dois novos expositores, o Giovanni do Casarão na Mooca – SP, e o Luciano da Sonzera – São Paulo – SP.

Pelo jeito eles gostaram da experiência, pois pediram para voltar.

Nosso pessoal também gostou bastante da companhia dos dois novos integrantes.

O Casarão trouxe discos antigos, porem novos, ou seja não chegaram a ser vendidos. È como se eles tivessem hibernado e acordassem agora.
Entre muitos, me lembro de Viper, Golpe de Estado, Meathook Seed, Varsóvia, Não Religião, cada um a dez reais.
Comprei o do Viper (não conhecia e queria escutar), Meathook seed (sempre vi esse disco na Banca Ipiranguinha e ficava curioso), Varsóvia (me disseram que eram punk mas achei um tanto pop – vi uma entrevista com eles no Canal Bis), Não religião (me disseram que as letras deles tem muito humor), e o Golpe de Estado – O quarto Golpe (sempre quis esse disco, e novo e a R$10, não podia perder, infelizmente seu guitarrista Hélcio Aguirra, faleceu hoje 22 de jan.).

O Luciano da Sonzera, trouxe suas coisa muito bem organizadas, caixas iguais na cor azul com logotipo da loja. Muito legal.

Hoje de manhã recebi um telefonema inesperado:  O Engo. Manoel Jorge Diniz dono de mais de um milhão de lps, deu a noticia de que irá negociar com os produtores do programa “Todo seu” apresentado por Ronnie Von, a produção do Lado B da primeira entrevista que concedeu ao “Pequeno Príncipe da Jovem Guarda”.

E na gravação, fará questão de citar a FLV, em retribuição à excelente recepção que demos a seu funcionário.
Vamos aguardar.





Ontem, terça-feira, o Pedro da Pref. de SBC,  ligou convidando a FLV a participar do projeto “Encontros Musicais” e em uma de suas datas, provavelmente 16 de Março instalaremos nosso evento no Parque Cittá de Maróstica.

Outra notícia boa é que a Rádio Vinil já esta no ar da WEB, produzia pelo nosso amigo Leonardo Engelmann, dentro do blog da FLV.

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

FLV na mídia

( olha a acta diurnaaaa!* ) Nesse final de semana ocorrerá a edição 101 da Feira Livre do Vinil. Em Dezembro, o pessoal do Jornal ABCD Maior fez uma reportagem, assinada pelo jornalista Vladimir Ribeiro, sobre a centésima edição da feira. Destaque para 'os bolachões voltar a ficar na moda".


O Jornal Ponto Final também noticiou sobre  centésima edição, através da jornalista Vivian Silva:



Se quiser ler o jornal, a reportagem está na página 8.


( *Acta Diurna é considerado, por muitos, o primeiro jornal produzido, surgido durante a Roma Antiga )


#101


...e está chegando o dia da edição número cento e um da Feira Livre do Vinil. Como quase de costume, em Santo André e no mesmo lugar: rua Campos Sales, 58, onde funciona a Galeria Studio Center, a 500 metros da estação de trem de Santo André e do Terminal Oeste da Rodoviária. 


Vale lembrar que, pra você que vai de carro, há estacionamentos na região e Zona Azul até às 13h. Se quiser ir de bicicleta, há um bicicletário a um quarteirão da Feira.

segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

1985

( onde você estava em 1985? ) Matéria curta d'O Estado de São Paulo mostra que está disponível na íntegra o show do Queen na edição de 1985 do Rock in Rio.

Clique aqui para assistir.



quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Show da Wanderléa e da Orquestra Sinfônica de Santo André.

Antes da foto com a cantora e do autografo, fiz alguma fotos do ensaio, vejam:
Wanderléa ensaiando, sempre muito profissional.

Vista geral do palco com a banda e a orquestra
.
Orquestra ensaiando o tema de Darth Vader de Guerra nas Estrelas. 
Banda que acompanha a cantora passando o som com Kashimir do Led Zep.

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

No show da Wanderléa com a Orquestra Sinfonica de Santo André em 23/11/13, levei um disco de 78 rotações, o segundo disco que ela gravou.
Ganhei um autografo no disco e minha esposa Sonia Regina Cabral Guisser conseguiu uma foto com a cantora.
Nos recebeu muito bem em seu camarim, foi amável e muito simpatica.
Sem contar que o show foi ótimo.
Aguardem mais fotos e notícias.



As fotos com Wanderléa são de autoria de Anderson P. Pedro.

terça-feira, 8 de outubro de 2013

O Terço ao Vivo e em 3D.

SESC - Belenzinho, São Paulo - SP, uma noite fria, mas que prometia esquentar.
Fui assistir um show do grupo "O Terço", depois de aproximadamente 35 anos, fui vê-los de novo.
Assisti a uma apresentação deles, em São Caetano do Sul, região do Grande ABC, no lançamento do segundo Lp da carreira.
Em 3D, e ouvindo eles contarem como as músicas foram escritas e outras estórias engraçadas.
1974, Casa encantada e muitas outras e fechando "Hey Amigo".
Após o espetáculo um conversa amigável com todos eles e algumas fotos.
Nunca esperei que pudesse vê-los a o vivo e ainda papear com meus ídolos musicais, curti muito o disco "Criaturas da noite".
Vejam as fotos.






Só faltou uma com o baterista, ele não pode esperar, mas deu pelo menos um Tchau.
Saudações Tercistas.
Cesar Guisser

Pátria Amada - Plebe Rude - Até quando esperar.

"Partia Amada"
Dia 7 de setembro de 2.013, uma data importante para todos os Brasileiros, mas ficou muito mais importante ainda para mim que assisti de cima do palco a um show inesquecível. depois de muitas bandas se apresentarem, chegou a vez da "Plebe Rude".
Sem o baterista original mas com uma presença excepcional: "Clemente" da banda "Os Inocentes"  como um dos guitarristas.
Como disse um amigo meu, "Felipe Alves": - Grande Clemente, grande Plebe Rude.
A Plebe é uma banda de punk rock dos anos 80, teve vários sucessos mas a que ficou marcada foi "Até





Quando Esperar", letra que até hoje permanece atual em cada uma de suas palavras.
"Não é nossa culpa - nascemos já com uma benção - mas isso não é desculpa - pela má distribuição - com tanta riqueza por ai - onde é que está? - cadê sua fração? - Até quando esperar - a plebe se ajoelhar - esperando a ajuda de Deus? - Posso vigiar teu carro? - te pedir trocados? - engraxar seus sapatos? - e aquela esmola - que nós damos sem perceber - que aquele abençoado - podia ter sido você"
Bom gente prá finalizar vou postar umas fotos feitas pelo meu amigo "Anderson Pedro" que além de campeão de Jiu-Jitsu é um excelente fotografo.
Deu gosto ver os integrantes fazerem um show "como se fosse o último", parabéns a eles todos.
Esse show foi realizado juntamente com a Secretaria de Cultura, Esporte, Lazer e Turismo da Prefeitura de Santo André.

Saudações Vinílicas
Cesar Guisser

Em tempo: Agora que eu percebi, nas quatro primeiras fotos na horizontal dá pra me ver no fundo do palco entre o baterista e o guitarrista com a camiseta "The Punisher".

Às terças - 08 de outubro de 2013

( Tranquilo na correria ) Sem chorumelas, está no ar o Às Terças!

O Jornal "O Estado de São Paulo" fez um site comemorando o centenário do nascimento de Vinicius de Moraes. Na página, você pode ver toda a discografia do poetinha, ouvir trechos dos vinis, algumas histórias de parcerias de suas composições, além de um mapa mundi mostrando onde e por quem foram gravadas versões de "Garota de Ipanema".


Em 1973, surgiu no cenário musical o grupo que projetou Ney Matogrosso no cenário da MPB. O disco homônimo ao nome da banda, "Secos e Molhados", traz músicas como "Rosa de Hiroshima" e "O vira", essa última interpretada pelos músicos na apresentação para a TV Tupi, em 1974.


Pois bem. Para comemorar a quarentena, o disco será relançado, mas com regravações de bandas e artistas da atualidade, como a versão de "Assim assado" nas partituras d'A Banda mais bonita da Cidade. O detalhe é que o iG disponibilizou o disco regravado para ouvir e baixar.

Outubro é o mês delas. E o SESC SP está com uma programação que até os marmanjos vão gostar. "O que é o que é? Artes para crianças" é o título dessa mostra multimídia trazendo no repertório teatro, dança, literatura e música. Destaque para "A orquestra mágica de Tom Zé", num show do tropicalista para crianças, lá na unidade de Itaquera. E em outro ponto da capital paulista, Pato Fu vai apresentar "Música de Brinquedo", um show feito somente com instrumentos musicais infantis. No centro cultural Banco do Brasil, dia 13 de outubro.

Aqui, uma palhinha do que é o show, quando contou com a participação especial da japonesa Maki Nomiya, em "Twiggy twiggy", no set list do show.


Lembrando que a Feira Livre do Vinil acontecerá no sábado seguinte ao do feriado, dia 19.

terça-feira, 24 de setembro de 2013

Às Terças - 24 de setembro de 2013


( Primavera? Onde? ) Um grande dia para todos nós. Semanalmente postarei aqui, sempre às terças-feiras, notícias e acontecimentos culturais que percorrem a rede durante esses dias.

Começo falando de João Gilberto. Ainda não engoli aquela chiadeira do show em São Paulo, lá em 1998, quando o dono do banquinho reclamou do som, cantou "Vaia de bêbado não vale" e mostrou a língua para a plateia. Pelo menos, João Gilberto relançará discos da década de 1960, mas está numa batalha judicial com a EMI. João acusa a gravadora de sumir com as gravações originais.


Outro que entrou em briga judicial, Roger Waters se diz arrependido de processo contra integrantes do Pink Floyd. Como ele pode se arrepender se o acordo já foi feito, em 1987?


Um dos grandes nomes da Música Popular Brasileira, Zuza Homem de Melo foi o tema do "Arquivos da Metô" da semana, programa de memória da extinta Rádio Metodista online. Nele, Zuza fala não só de MPB, mas das influências que nossa música sofreu do Jazz e o que o Jazz pegou para si da MPB.


E, claro, Rock in Rio. Para este blogueiro que vos digita, o grande nome foi Bruce Springsteen. Ele já havia dado um show na capital paulista e, no Rock in Rio, reforçou o status de um dos melhores shows do ano no Brasil.

Em entrevista ao programa Almanaque, Springsteen conta à Globo News que 'perdeu tempo em não ter vindo à América do Sul antes'. Ele veio há 25 anos num show com vários artistas. E essa é a primeira vez que ele e sua banda fazem uma turnê no Brasil, depois de passar por Santiago e Buenos Aires.

Aqui, o show dele no Rock in Rio 2013 na íntegra. E com a impressionante versão de "Sociedade Alternativa".

Saudades do RIR? O iG listou o que de melhor e de pior aconteceu durante esses dias de rock ( e de pop, MPB, música clássica,... )

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Bruce Springsteen

Há centenas de videos circulando pela internet com o áudio ambiente gravado de alguém da pista. Alguns foram felizes e seguraram o celular no telão do show.

Aí, a Columbia Records pegou o vídeo da própria produção do show e postou no Vimeo. Para assistir com som alto.


Para mim, o cover mais caro do Raul Seixas é o acontecimento musical brasileiro do ano. 

quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Novidades

( nunca no esquecimento ) Nunca mesmo. Nesse período de ausência no blog, algumas coisas aconteceram: surgiram os black blocks, o gigante acordou e dormiu mais pesado, os mensaleiros têm direito a uma nova rodada de pizza, o Brasil ganhou a Copa das Confederações,...

Mas a principal notícia está prestes a acontecer por aqui mesmo, no blog. O Facebook da FLV vai continuar existindo, por uma questão de interatividade mesmo. Esse blog terá mais notícias sobre cultura e todas as vezes que encontrarmos alguma notícia relevante sobre o mundo do vinil, estarão chiando por aqui.


Estamos nos apressando para a grande novidade que será acessada pelo blog. Nossa ideia era de estrear na edição número 100 da Feira Livre do Vinil, dia 14 de Dezembro. Mas ao que tudo indica, Papai Noel chegará mais adiantado.

Enquanto isso, fiquem com a divulgação da edição 98 da Feira, que acontecerá no mesmo endereço de sempre.


sábado, 20 de julho de 2013

FLV 95

( erraram a conta? ) Não. Não erraram a conta. Como algumas edições foram realizadas fora da Galeria, elas foram recontadas. E 91 virou 95, que foi hoje.

Como em todas as outras edições, histórias. Uma delas, sobre a existência de Corais. No interior paulista, como não acontecem tantas coisas revelantes como acontecem na região metropolitana, a TV dá mais espaço às atividades culturais. Coral, por exemplo.

O primeiro argumento: "Não tem mais isso em São Paulo." O segundo argumento: "Tem!" Minha conclusão: tem, mas não é divulgado. A tréplica: "Mas aparece no Faustão." Oras. Quem vê Faustão, Ana Maria Braga, Eliana,... tem condições de pagar 150 reais para uma apresentação completa de Coral? Se tem condição, vai, de fato, assistir a uma apresentação?

São públicos diferentes.


Vamos ao que interessa: vinil.

Eu não conhecia esse compacto do Pink Floyd. 30 reais.

  

Um dos expositores trouxe livros de Jazz, bonecos de músicos famosos, alguns CD's ( blergh ) e, entre vinis de coletâneas e jazz, encontrei esses dois LP's do Kiss, personalizados. O expositor contou que eles fazem parte de uma loja virtual do exterior, "Back to the Black Vinyl", uma loja que vende vinis comuns e edições especiais, encomendados pela própria loja. Além de tê-los à venda virtualmente, o internauta pode baixar o arquivo em mp3 para ouvir em casa. Uma espécie de amostra grátis.


E essa capa do do LP do Led Zeppelin, lançado entre 1971 e 1972? Lançamento simultâneo lá fora e aqui no Brasil.


Eu, particularmente, gostei muito da contra-capa. Que desenho!


Já aproveito para convidar para a próxima edição, a de número 96, da Feira Livre do Vinil em Santo André, dia 17 de agosto.

quarta-feira, 17 de julho de 2013

Facebook!


( mais lá que cá ) Caros visitantes do blog e das Feiras Livres do Vinil, estamos mais no Facebook do que aqui no Blog. Isso não significa que o blog será apagado. Longe disso.

Para quem quiser, o endereço da página no Facebook é esse aqui, ó.

E já aproveito a oportunidade de convidá-lo(a) para a edição número 91 da Feira.

O lugar é aqui, fácil de chegar. Tem estacionamento Zona Azul até às 13h. E é perto da estação de trem Santo André.

terça-feira, 16 de abril de 2013

Capas de disco curiosas

Gente
Aos sábados eu presto serviço no MILLA SEBO em Mauá.
Fico quase o dia todo limpando discos e capas, depois o Bruno põe preço e coloca à venda.
E a gente vê cada capa....
Vejam algumas.




Na primeira capa, são Brasileiros do Sul vestidos de Mariachi.
O nome do disco é: Chifre de ouro.
Ah tá...então o sombreiro é pra esconder o chifre!

Na segunda capa, caso do Zé do mar e Zé do Rio, o titulo do disco deveria ser "Barco de Luxo".

Na capa dos lusitanos é Joaquim e Manuel ou Manuel e Joaquim?
- Responde ai ô Manuel
- Nem sei mais ô Joaquim!

A quarta capa: Tá dificil?
Lucely?!?!?!?!?!?!?!?!?!?!?
Urso Negro. Será que é algum super herói?

Assim que der, posto mais algumas.
Do mesmo lugar, aqui de Santo André
Cesar Guisser

segunda-feira, 15 de abril de 2013

Feira Livre do Vinil - Voltando ao passado

Tudo começou no Museu de Santo André, mas ficamos muito tempo realizando a FLV no saguão do Teatro Municipal da cidade.

No dia 06/04/13, dentro das comemorações do 460 aniversário da cidade, realizamos uma edição especial "FLV - Lado B" no mesmo local, só para matar a saudade.

Teve até show com a banda Kães Vadius.

Esteve lá, nosso amigo Rodrigo (e uma equipe enorme), filmando a FLV e seus expositores para o documentário " Meu primeiro 12 polegadas" ou meu prilmeiro LP para os leigos.  Quem gosta sabe.

O Depto. de Cultura, através de seus artistas, criaram um cartaz e um convite especial para o acontecimento.

Depois no sábado dia 13/04 a 89a. Edição da FLV na Galeria Studio Center.
Dessa vez foi o novo baner que inauguramos.

Rascunho do Cesar, arte do Wendel, um último toque do Thiago da PMSA (depto de arte da Cultura) e ajuda dos expositores nas idéias e na grana mais a produção da OnlyBanner, o produto saiu.

Vejam os resultados artísticos.......

Direto de algum lugar de Santo André..
...deste que vos escreve...
Cesar Guisser



segunda-feira, 11 de março de 2013

Vinil (re)conquista jovens


Parece repeteco da reportagem de ontem, mas não é. Na mesma Globo, hoje cedo, outra reportagem sobre o LP. E o mesmo comentário manjado: "Quando a agulha faz o chiado do vinil,..." Sim, outra vez a TV mostrou outra reportagem do mesmo vinil, mas dessa vez, falando dos jovens que procuram LPs porque pesquisaram a história das bandas na internet.

Ou seja: som do vinil não substitui o mp3.

A matéria está aqui.

domingo, 10 de março de 2013

Casa do Vinil

"Muitas pessoas vêm de longe pra comprar aquele vinil que falta na discoteca."

"Não tem jeito: quem gosta de vinil, gosta daquele chiadinho da agulha [ risos do apresentador ]"

Esse é o Clube do Vinil na Zona Leste de São Paulo, que acontece todo primeiro domingo do mês.

A reportagem fo ao ar no SPTV primeira edição de sábado, dia 9 de março de 2013..

Para vê-la, clique aqui.

sexta-feira, 8 de março de 2013

Bolacha no prato

Arte é a capacidade que se tem em transformar algo em outra coisa.

Essa transformação necessáriamente precisa ser para melhor, mudar para algo mais bonito de se ver, interessante de se olhar ou de se ouvir.

A arte pode chocar, mas com uma finalidade especifica.

A arte pode mudar um comportamento de uma ou varias pessoas, por isso deve-se ter responsabilidade na hora de fazer arte.

Arte é viver, arte é amar, arte é aceitar as pessoas como elas são.

Nem todos os caminhos para se chegar a uma obra de arte são válidos ou eficientes.

Repare nessas criações.

Saudações vinílicas!






Por: Cesar Guisser

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Capas polêmicas ( 1 )

( e quem é? ) Nas minhas idas e vindas pelo Facebook, encontrei essa postagem do bom Imagens Históricas, a qual copio e colo aqui:


(...)

A polêmica capa do LP "Eu não sou santo", de Bezerra da Silva, em 1990.


José Bezerra da Silva nasceu em Recife e mudou-se para o Rio de Janeiro aos 15 anos fugindo da fome e apenas com a roupa do corpo. Fez a viagem num navio que carregava açúcar.


Durante sete anos viveu como mendigo nas ruas de Copacabana, onde tentou suicídio e foi salvo por um Santo da Umbanda, onde se tornou um praticante até ingressar na Igreja Evangélica. Passou então a trabalhar na construção civil como pintor de paredes e tinha como endereço a obra no centro da cidade, onde exercia sua profissão. 


Iniciado na música por Jackson do Pandeiro, Bezerra da Silva estudou violão clássico por oito anos e passou outros oito anos tocando na orquestra da TV Globo. É um dos poucos partideiros que lia música.


Como ele próprio explica, sua ligação com o mundo musical se deu por causa do "medo da fome", onde a única saída que tinha era "lutar por dias melhores", pois "tinha dias que trabalhava e não comia". 


Cantor e compositor de verve ácida, Bezerra da Silva atira contra as injustiças sociais. Suas músicas são quase sempre de outros compositores ou então de parcerias que ele cultiva há muitos anos. Nas letras dos sambas desses compositores se expressam os conflitos sociais de uma população marginalizada. Tudo através de uma ótica bem humorada, mas também áspera. São letras com palavras afiadas, de gente que tem uma visão sociológica amadora, porém lutadora e inconformada.


Antigamente, Bezerra não gostava que o chamassem de pagodeiro. Dizia que "quando a música é feita por pobre, analfabeto ou crioulo, eles dizem que é pagode. Eu não aceito isso!".


Apesar de ser um campeão de vendas (seus mais de 25 discos já venderam aproximadamente três milhões de cópias), Bezerra da Silva foi sempre excluído da grande mídia.


Em 2001 retornou à fé evangélica através da Igreja Universal do Reino de Deus e em 2003 gravou o CD Caminho de Luz com músicas gospel. Em 2005, perto da morte, mas ainda demostrando plena atividade, participou de composições com Planet Hemp, O Rappa, Velhas Virgens e outros nomes de prestígio da Música Popular Brasileira.


Bezerra morreu na manhã de segunda-feira, dia 17 de Janeiro de 2005 aos 77 anos, depois de sofrer uma parada cardíaca. O curioso desta data é que Bezerra se auto-intitulava "o bom malandro", por isso quando morresse, queria que não fosse numa sexta-feira ou feriado, para não atrapalhar a praia dos amigos. E morreu numa segunda-feira - ou seja, depois do fim-de-semana e no dia 17 de janeiro, o primeiro mês do ano (a data da sua morte forma o número 171).


Considerado o embaixador dos morros e favelas, cantou sobre os problemas sociais encontrados dentro das comunidades, se apresentando no limite da marginalidade e da indústria musical.


É considerado um dos principais expoentes do samba do estilo partido alto. Os principais temas de suas canções foram a vida do povo e os problemas da sociedade e das favelas, como a exploração e a opressão sofridas pelos trabalhadores, a malandragem e ladrões à margem da lei, a questão do uso de drogas como a maconha e a condenação à caguetagem (delação de companheiros). Esta última temática refere-se a uma das principais estratégias de sobrevivência da "malandragem" em comunidades militarizadas pelo Estado e sob constante vigilância policial, onde a "malandragem" exerce influência e medo para que os moradores destas localidades não os delatem aos órgãos do Estado. 


Reflexos de uma sociedade sob um estado incapaz de garantir a segurança da população, que precisa apelar para a segurança oferecida por traficantes, pois os indivíduos de fora deste grupo social os tem como inimigos. Concluindo-se assim, que não são os moradores do morro que fomentam a guerra, apenas defendem-se como podem.



Texto de Diego Vieira

Administração - Imagens Históricas